• Quinta dos Bacelos – Rondulha - Estrada do Casal da Coxa, 18 - Vila Franca de Xira

  • (+351) 263 287 200

/fileuploads/Noticias/_guerracriancas.png
Como falar da guerra às crianças
É praticamente impossível escapar às notícias sobre a guerra na Ucrânia. Como devemos explicar o assunto às crianças e o que lhes devemos contar? Neste artigo, a psicóloga da ABEI dá algumas dicas para que os pais possam lidar melhor com esta realidade.

As notícias da atualidade têm tido como principal foco a guerra na Ucrânia. Como adultos, temos assistido a imagens que perduram na nossa mente e com as quais tentamos lidar de forma adaptativa às emoções que as mesmas despoletam. 
E as nossas crianças? Como será que percepcionam a realidade que se está a viver?

Para as crianças e jovens, a ideia de um conflito armado pode provocar diversas emoções negativas, como medo, tristeza, raiva… Neste sentido, apesar da tendência ser proteger a criança ou jovem destas informações menos positivas, temos de lhes dar espaço para os escutarmos e validarmos as suas emoções, ou seja, fazer com que se sintam ouvidos, compreendidos e obtenham uma resposta aos seus receios e medos. 
Será também importante filtrar algumas notícias e antever o impacto que poderão ter junto da criança ou jovem e, ainda, certificarmo-nos de que são fontes de informação fidedignas. 
Apesar de ser um assunto muito difícil, até para nós adultos, o facto de ignorarmos e nos remetermos ao silêncio para não abordarmos temas difíceis, pode aumentar ainda mais as emoções negativas como, exemplo, o medo. A criança deve perceber que o adulto está disponível para a ouvir e ajudar a compreender o assunto, gerando um sentimento de segurança e confiança. 
Nesta fase, é importante também reconhecer alguns sinais de alerta e identificá-los para se conseguir ajudar e, se necessário, intervir atempadamente. As crianças podem sentir-se mais ansiosas, assustadas e tristes, podendo exteriorizar algum medo, manifestado, por exemplo, através de birras ou medos em estar longe dos pais e adultos de referência. 
O padrão de sono, a existência de pesadelos e alterações comportamentais (maior agitação psicomotora, desafio de limites, apatia) no contexto escolar e/ou familiar podem também sofrer alterações significativas. É importante reconhecer estes sinais e verificar a sua duração no tempo e intensidade dos sintomas, avaliando a necessidade do recurso a apoio especializado. 

Em suma, algumas estratégias que podem ser adoptadas:
- Permitir à criança/jovem expressar os seus pensamentos e sentimentos: privilegiar as emoções da criança e ter uma postura de escuta ativa acerca das mesmas;
- Escutar e descobrir o que a criança/jovem já sabe: garantir que o acesso à informação se adequa à faixa etária da criança e transmitir informações corretas acerca da guerra.  Neste sentido, a adequação da linguagem e da informação à idade da criança é importante para garantir que está ao alcance da sua compreensão dos factos. 
- Assistir às notícias em conjunto com as crianças mais velhas e jovens: isto poderá fomentar o debate acerca dos acontecimentos mais recentes e esclarecer dúvidas e receios, no momento em que a criança assiste às notícias. Poderá ainda permitir a discussão de outras temáticas relevantes da atualidade para a criança/jovem e permitir uma reflexão acerca dos temas abordados junto do adulto.
- Motivar o comportamento pró-social: este tipo de situação apela à solidariedade e as crianças/jovens, ao saberem que podem ter um papel ativo em ajudar o próximo, poderão sentir-se úteis. Os adultos podem incentivar à doação de diversos materiais, roupas ou brinquedos de que a criança já não necessite, promover a angariação de bens alimentares, entre outros, como forma de sensibilizar para a adoção de comportamentos solidários pró-sociais, atitudes que, posteriormente, podem vir a ser aplicadas a outras situações. 
- Vigiar a Saúde Mental: monitorizar os sintomas descritos anteriormente. Reforçar junto da criança ou jovem a disponibilidade para o ajudar e a responder e desconstruir as suas dúvidas, emoções e sentimentos. Se os sintomas persistirem recomenda-se a procura de apoio especializado. 

 

Irina Crispim, Psicóloga

ABEI

Notícias Recentes

Assembleia Geral de Sócios

Assembleia Geral de Sócios

Convoca-se a Assembleia Geral de Sócios da ABEI para o dia 6 de dezembro, pelas 18h00, no Auditório da Quinta dos Bacelos.

Consulte a conovocatória, bem como a ordem de trabalhos, no documento em anexo.

Processo eleitoral na ABEI 

Processo eleitoral na ABEI 

Informam-se todos os associados que está aberto o processo eleitoral na ABEI.
<strong></strong>Dia Mundial de Combate ao Bullying 

Dia Mundial de Combate ao Bullying 

O Dia Mundial de Combate ao Bullying é uma data que pretende alertar as famílias e comunidade, concretamente a escolar, para um fenómeno presente na nossa sociedade. Além de alertar, é importante sabermos a que se refere e os sinais de alerta para a identificação precoce de situações de bullying e o que leva ao seu combate. 
Dia Mundial da Saúde Mental

Dia Mundial da Saúde Mental

A saúde mental tem ganho relevo e a sua importância tem vindo, cada vez mais, a ser valorizada. Contudo, ainda é necessário desmistificar alguns preconceitos, sendo o mais comum de que o psicólogo “é para malucos”!

Nada disso. Este dia serve para quebrar tabus e para dar a conhecer o papel de enorme importância dos profissionais de saúde mental, nomeadamente, o psicólogo.

ASSEMBLEIA GERAL DE SÓCIOS

ASSEMBLEIA GERAL DE SÓCIOS

Vai realizar-se, no dia 22 de junho, a Assembleia Geral da ABEI.

A Assembleia terá início pelas 18h, no Auditório da Quinta dos Bacelos.

Aniversário da ABEI junta mais de 200 pessoas em Vila Franca

Aniversário da ABEI junta mais de 200 pessoas em Vila Franca

Aos 47 anos, a ABEI tem cada vez mais energia! A instituição celebrou o aniversário a 13 de maio e a festa fez-se no dia seguinte, com um peddypapper muito animado, que juntou mais de duas centenas de pessoas em Vila Franca de Xira.
Peddypapper Aniversário da ABEI

Peddypapper Aniversário da ABEI

A ABEI faz 47 anos a 13 de maio e, no dia 14, sábado, vamos comemorar a data com um PEDDYPAPPER em Vila Franca de Xira!
AJUDAR SEM GASTAR COM O SEU IRS

AJUDAR SEM GASTAR COM O SEU IRS

Decida que instituição ajudar com a consignação do seu IRS.
É uma atitude que não tem custos para si e vai estar a AJUDAR SEM GASTAR.
Como falar da guerra às crianças

Como falar da guerra às crianças

É praticamente impossível escapar às notícias sobre a guerra na Ucrânia. Como devemos explicar o assunto às crianças e o que lhes devemos contar? Neste artigo, a psicóloga da ABEI dá algumas dicas para que os pais possam lidar melhor com esta realidade.
Assembleia Geral de Sócios

Assembleia Geral de Sócios

Vai realizar-se, no dia 30 de novembro, a Assembleia Geral da ABEI.
ABEI distinguida com "Selo de Boas Práticas 2021"

ABEI distinguida com "Selo de Boas Práticas 2021"

O trabalho da ABEI em dois projetos - um sobre alimentação e outro sobre a criação de laços na Unidade de Saúde - foi reconhecido com o "Selo de Boas Práticas 2021".
Assembleia da ABEI com participação dos sócios e homenagem a colaboradores

Assembleia da ABEI com participação dos sócios e homenagem a colaboradores

A Assembleia Geral da ABEI foi marcada pela participação ativa dos sócios e pela homenagem e agradecimento a todos os trabalhadores que, apesar das difíceis circunstâncias, se superaram a todos os níveis ao longo dos últimos meses.
Escola da ABEI no “Apps for Good"

Escola da ABEI no “Apps for Good"

Os alunos da ABEI apresentam três projetos no 7º Encontro Regional do “Apps for Good“, que acontece online.

Vote nos projetos da nossa Escola!

Escola da ABEI recebe Bandeira Eco-Escolas

Escola da ABEI recebe Bandeira Eco-Escolas

Pelo 5º ano consecutivo o equipamento dos Bacelos recebeu o galardão Eco-Escolas pelo trabalho desenvolvido no contexto deste projeto que promove uma escola mais sustentável e amiga do ambiente.
46 anos: Parabéns ABEI

46 anos: Parabéns ABEI

No 46º aniversário da ABEI, quem esteve de parabéns foi a nossa equipa!